Espiritos do Luar é baseado nas histórias e lendas das tribos Cherokee, Wappo e Karok. Os nomes são inventados e a história em si é ficcionada.
Sexta-feira, 29 de Outubro de 2010

Midnight Howl - Cap 24 - 2ª Parte

Itália

 

Navid

 

Já tinha chegado a Itália, vindo de Forks. Caius tinha-me mandado ir lá tratar de um serviço, e como novo membro dos Volturi tive que lhe obedecer. Não compreendi porque me mandou ir matar um mísero humano, mas ele disse-me que era importante e para não dar nas vistas. Assim fiz. Viajei para Forks e fui para a reserva dos Quileute e matei um homem já com os seus 50 anos, numa cadeira de rodas. Nem chegou a sentir, não gostava de ser cruel, só o fiz porque mo mandaram, mas não me disseram como tinha de o fazer. Portanto fi-lo enquanto o homem dormia, partindo-lhe o pescoço. Era indolor, rápido e eficaz.

Chamo-me Navid, e tornei-me vampiro á coisa de 5 anos. Durante o primeiro ano, a pessoa que me transformou, uma vampira chamada Holly, ensinou-me como passar despercebido e como me controlar quando estivesse com demasiada sede. Ensinou-me as manhas do mundo e depois abandonou-me. Lembrava-me de pouca coisa da minha vida humana, apenas umas memórias vagas e desfocadas. Lembrava-me de ter sido perseguido por um grupo de rapazes e espancado quase até á morte, tudo porque queriam a minha carteira, que apenas tinha 20 dólares lá dentro.

O mundo era cruel, e agora sendo esta criatura mítica que era, não ia mudar... Apesar de ser um vampiro, um chupador de sangue, não estava dentro de mim ser mau. Não gostava nada... Odiava-me por ter morto aquele homem e todas as pessoas a quem tive de beber o sangue para sobreviver. A maioria das vezes tentava roubar as reservas dos hospitais, entrando a meio da noite mas nunca era o suficiente.

Juntei-me aos Volturi á um ano, e apenas porque me sentia só. Ser imortal tem as suas desvantagens, não é tudo como imaginamos ser. Aro encontrou-me numa noite de chuva intensa, enquanto eu me alimentava num beco remoto em Itália. Percebeu que eu era especial: tenho o poder de controlar objectos, de os fazer movimentar ou levitar sempre que quiser, só com o meu pensamento. Pelos vistos isso era algo bastante anormal num vampiro e Aro convidou-me para se juntar a eles. De inicio desconfiei, não tinham a aparência de serem vampiros pacificos, mas era sempre melhor do que permanecer sozinho. Aceitei.

(...)

Entrei no grande hall onde se encontravam as cadeiras de Aro, Marcus e Caius. Lá estava Jane e o Caius, á minha espera. Só eles é que sabiam do que eu tinha ido fazer, Aro e Marcus não sabiam de nada, pelos vistos, e nem era para saberem.

- Então?! - perguntou-me Caius impaciente.

- Está feito. - respondi, secamente.

- Excelente, óptimas noticias. Foste discreto?

- Sim, ninguém me viu. Fui rápido.

- Óptimo, óptimo.

- Posso perguntar porque me mandou matar um ser humano inofensivo? - tinha de perguntar, estava demasiado curioso para me calar.

- Porque era necessário! - respondeu-me bruscamente. - Podes ir, quando precisar dos teus serviços serás chamado.

 

Saí do hall, furioso. Nem tinha direito a saber porque raio matei uma pessoa inocente?! Dirigi-me para o meu quarto. A decoração não tinha nada de especial, era em tons de cinzento e vermelho, com vista para Volterra. Lembrei-me de uma discussão entre Aro e Caius á uns meses atrás e isso fez-me compreender então o porquê de ter ido a Forks.

 

Flashback

 

- Bolas Aro, eles são perigosos! Podem-se virar contra nós a qualquer momento, temos de os destruir antes que o façam eles a nós!! - reclamava Caius.

- Caius, eles só defendem as suas terras, não nos farão mal, a menos que lhes façamos primeiro. - respondia Aro calmamente.

- Mas são lobos!! Lobisomens, precisam de morrer!

- Não são lobisomens, eles escolheram a forma de um lobo, é diferente!

- Não me interessa!!

- Caius, chega! Não vamos a Forks incomodar a tribo só porque estás com medo. Ponto final!

 

Fim de flashback

 

Claro! Caius tinha-me mandado a Forks para matar um familiar de um dos tais lobos, de modo a serem eles a ameaçar-nos em vez do contrário! Como não me lembrei disto antes?! Podia ter recusado, se bem que Caius mandaria Jane em vez de mim, o que fria o homem morrer muito mais lentamente. Só o pensamento fez-me tremer. Mas não podia contar a Aro, ele matar-me-ia a mim primeiro e Caius a seguir por lhe ter desobedecido ás ordens. Não, tinha de fazer alguma coisa, mas como é que podia fugir sem que ninguém nota-se?

Não havia maneira de sair da mansão sem descobrirem. Felix encontrar-me-ia em minutos... Nada podia fazer. Agora só podia esperar para ver o que acontecia.

 

Nova Iorque

 

 

 

Jacob

 

Deixei de ouvir Sam. Era apenas uma voz distante ao meu ouvido, enquanto a noticia me atingia como facas a arder. Primeiro veio a negação, e depois a tristeza e finalmente a raiva. Raiva de o ter deixado sozinho e raiva de quem o tinha morto. Neela olhava para mim preocupada e eu desliguei o telemóvel.

- Que se passa? Jacob? - perguntou-me a minha princesa.

- O meu pai foi morto. Tenho de ir para La Push. - levantei-me e vesti a minha camisola num instante. Neela seguiu-me escadas abaixo.

- Jake a esta hora não há voos para Port Angeles! - disse Neela e sabia que ela tinha razão, mas não podia ficar quieto.

- Vou para casa fazer as malas, e amanhã parto para lá. - disse.

- Jake, nem penses que vais sozinho! Eu vou contigo, não há discussão possível. - disse Neela, e apesar de não gostar da ideia tive de aceitar. Não a ia deixar sozinha, se tinham conseguido chegar ao meu pai, atravessando La Push toda sem alertar a alcateia então chegar até Neela era bem mais fácil. Beijei-a como se fosse a ultima vez que a visse, só o pensamento de a perder era simplesmente demasiado doloroso. - Partimos de manhã cedo, eu venho-te buscar. Faz as malas.

 

Saí de casa de Neela e fui para a minha casa, tratar de tudo. No dia seguinte estaria em casa e iria saber quem foi que teve a coragem de matar um pobre homem numa cadeira de rodas. Quem quer que fosse, vampiro, lobo ou humano, não o ia deixar vivo. Ia-me vingar.

(...)

Já tínhamos chegado a La Push, Paul tinha ido ao aeroporto buscar-nos e estávamos a chegar a casa da Emily. Saí disparado do carro, percorrendo o alpendre até chegar á beira do Sam. Sam levantou-se e abraçou-me. Não estava para lamentações, precisava de respostas. Só então é que reparei que os Cullen também estavam ali. Então era mais grave do que eu pensava... Olhei para Edward e percebi que tinha sido um vampiro a matá-lo.

Agarrei Sam pelos colarinhos da camisola que trazia vestida e encostei-o contra a parede. Emily e Neela tentaram separar-nos mas eu não dava ouvidos e Sam não lutou contra mim.

- Como foste capaz de deixar um vampiro passar?? Como é que não reparaste??? - gritei-lhe.

- Jacob, tem calma. Eu... - interrompi-o

- Calma?! Tu queres que tenha calma??? - já tremia por todos os lados. - O meu pai foi assassinado por uma sanguessuga e TU tens a lata de me dizer para ter calma??

- Jacob, não estávamos de patrulha, era o nosso dia de folga! Andava tudo tão calmo que achamos que não tinha mal sairmos... - explicou Sam, mantendo a calma. Aquela tranquilidade tirava-me do sério.

- O...quê?! Vocês deixaram La Push indefesa?! - a minha voz tinha-me saído mais esganiçada do que o pretendido mas estava tão irritado que nem liguei. Não podia acreditar no que ele me dizia.

- Jacob, larga o Sam... - pediu-me Neela, pousando a sua mão no meu ombro e obrigando-me a olhar para ela com a mão na minha cara. Os meus tremores acalmaram-se, como era normal e respirei fundo. Larguei o Sam e Emily colocou-se logo ao lado dele. Virei-me para trás, para os Cullen, que assistiam á cena toda calados que nem ratos.

- Quem foi? - perguntei.

- Não sabemos, não reconhecemos o cheiro. - respondeu Edward, calmo como sempre.

- Alice, como é que não viste isto a acontecer? - perguntei, lembrando-me que aquela amostra de gente tinha visões.

- É natural, o teu pai já foi um lobo, portanto não tenho visões com ele, nem com nenhum de vocês. - explicou. Fazia sentido.

 

Sentia-me miserável... Se não estivesse em NY podia tê-lo protegido.

- Jacob, não podes pensar assim. - disse Edward e tremi.

- Sai da minha cabeça!! - gritei-lhe, saindo de rompante da sala.

Precisava de espaço, estava a sufocar! Fui a pé pela floresta fora e deixei-me transformar, precisava de um tempo só para mim. Já estava a anoitecer, e o céu estava limpo. Caminhei até á falésia, onde Neela tinha caído uns meses antes e sentei-me, enquanto olhava para o mar. A dor da perda do meu pai finalmente atingiu-me com força e chorei silenciosamente durante o que me pareceu horas. Não tinha vontade de voltar á minha forma humana, era mais fácil lidar com a dor como lobo. Doía menos...

Olhei para o céu e a lua brilhava em cima de mim, branca, cheia e cheia de estrelas á sua volta. Era lindo ali, com o luar a atingir o mar. Coloquei-me nas quatro patas e caminhei até á borda da falésia. Olhei para baixo, vendo as ondas embater na rocha e sorri. Lembrei-me como o meu pai me tinha ensinado a saltar da falésia sem me magoar, aqui mesmo, nesta mesma falésia. Um nó apertou-me a garganta com a memória... Levantei a cabeça para a lua e uivei. O som que me saiu da garganta foi o mais alto que alguma vez tinha conseguido projectar e rasgou o silêncio da noite como um flecha. Uivei durante uma eternidade, prestando homenagem ao homem que mais respeitava naquele mundo.

 

«Midnight Howl - uivo á meia noite.»

 

PS: E aqui fica a segunda parte!

Desculpem a demora do post mas os testes

não me deixaram postar mais cedo :/

Espero que tenham gostado! :)

Bear Hug*

publicado por Suky ♥ às 18:39
link do post | Light Me | favorito
4 Moonlights:
De Filippa a 29 de Outubro de 2010 às 23:10
O que faz uma pessoa não vir ao PC uma semana! Perdi coisas importantes nesta fic :O
O Billy morreu? :| Tadinho dele, não merecia o pobre coitado :(
Amei e quero sempre mais, já sabes ;)
Beijinhos *


De Suky ♥ a 29 de Outubro de 2010 às 23:17
Pois não, custou-me muito matar o billy :(
Mas agora já estás cá eheheheh :D
Não te preocupes :)


De Andrusca ღ a 23 de Novembro de 2010 às 21:33
Hum... tenho duas coisas a dizer:
Primeira: Não sei porquê mas acho que esse Navid, apesar de ter morto o Billy (o que só por si me fez odiá-lo) até pode vir a ser uma ajuda preciosa...
E Segunda: Rapariga, qualquer dia tenho uma coisa má a ler a tua fic! +.+

(tadinho do Jake...)


De Suky ♥ a 24 de Novembro de 2010 às 12:17
Nao tenhas nada pf xD ahahahah
Ainda bem que estas a gostar :)
Brigado pelos comentarios!! *.*


Comentar post

Copyrights including the content and design of this blog

.About Me

.pesquisar

 

.Setembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Espiritos do Luar - Cap 6

. Espiritos do Luar - Cap 5

. Espiritos do Luar - Cap 4

.arquivos

.links

.Nuvens

estetica em
contador free