Espiritos do Luar é baseado nas histórias e lendas das tribos Cherokee, Wappo e Karok. Os nomes são inventados e a história em si é ficcionada.
Sexta-feira, 15 de Outubro de 2010

Midnight Howl - Cap 20

Acordei por volta das 10h com o meu querido despertador. Resmunguei, apetecia-me atirá-lo contra a parede! Estiquei o braço e desliguei-o com um murro no botão. Deixei o braço cair ao lado da cama, pendendo sobre o chão e suspirei. Mais uma noite sem dormir direito, isto estava a dar comigo em doido. Agora sim podiam chamar-me maluco! Tinha voltado a ter um sonho com a Neela, ao fim de quase duas semanas sem ter pesadelos. E tinha voltado a ser o mesmo do costume: estava com a minha princesa, tudo corria bem, até ela dizer que tinha de ir a algum sitio e nunca mais voltava. Uf, já estava farto destes sonhos, ao menos podiam variar!

Levantei-me, deixando-me ficar sentado na cama durante um bocado. Em frente á cama tenho uma cómoda com um espelho e uma televisão pequena ao lado e o meu cabelo estava mais despenteado que nunca. Se alguém entrasse no meu quarto agora ainda morria de susto ou de tanto se rir. Parecia que tinha visto um fantasma ou algo do género. Passei a mão na cabeça, tentado achatá-lo mas acho que devo ter feito pior... Bah, desisto!

Peguei no comando e liguei a TV para ver as noticias da manhã. Encostei-me á cabeceira da cama com a almofada nas costas e deixei-me escorregar um bocado, para ficar mais confortável. Deixei ficar no CNN e esperei que desse alguma de interessante. Falaram de assaltos, de acidentes de carros, de incêndios... Vá as noticias do costume. E depois deu aquela que estava á espera, a do suposto serial killer.

Voltei a sentar-me, apoiando os meus cotovelos nas minhas pernas e as mãos a agarrarem-me a cabeça e os meus olhos colaram na TV. Disseram que as autoridades finalmente tinham encontrado o corpo e que este encontrava-se quase desprovido de vestuário e sem um gota de sangue no corpo.

Afinal tinha razão, era um vampiro que andava á solta em Nova Iorque. Nem aqui tinha descanso destes sanguessugas, fogo. Desliguei a televisão e peguei no meu telemóvel. Enquanto procurava o número de Edward, levantei-me e fui para a sala abrir as persianas. Esperei três toques até ele atender.

- Jacob? - disse a voz dele do outro lado.

- Sim. Ouve tenho que te perguntar uma coisa. - fui directo ao assunto.

- Ok, diz lá.

- Tens visto as noticias do suposto serial killer aqui em Nova Iorque? - perguntei.

- Sim, temos estado a par dessa noticia.

- Estás a pensar no mesmo que eu?

- Sim, nós também suspeitamos que seja um vampiro, provavelmente um recém-nascido. Nenhum vampiro adulto faria tanto estardalhaço. - respondeu.

- Ok agora pergunto eu: se o encontrar o que é que faço? Não me posso transformar no meio da cidade, sou gigante!!

- Pois bem visto Jacob. Talvez consigas falar com ele, afinal ele ainda é novo...

- Sim capaz de me arrancar a cabeça em 2 segundos. - interrompi-o. Em forma humana não tinha como me defender de um vampiro cheio de sede e enraivecido!

- Pois tens razão, não tinha pensado nisso. «Aposto que adorava que eu perde-se a cabeça... Literalmente.»

- Pois. Se não tiver hipótese transformo-me e trato do assunto mas é muito arriscado. Os Volturi já não deviam ter tratado disto??

- Talvez acham que ainda não é grave o suficiente mas sim, se tiveres oportunidade, destrói-o, não queremos os Volturi muito perto das nossas casas. - disse Edward, lembrando-se do nosso último incidente com eles.

- Ok. Se tiveres outras ideias brilhantes diz-me. - pedi-lhe e desliguei.

 

Pousei o telemóvel na mesa da cozinha e encostei-me ao balcão. Então sempre era um vampiro que andava a causar todos estes desaparecimentos, não era eu que estava a imaginar coisas. E se ele se tornasse um verdadeiro perigo, teria de ser eu a tratar do assunto. Já tinha experiência com recém-nascidos, mas uma coisa é estar numa matilha de cães gigantes, outra é estar um contra um. Não tinha duvidas de que conseguiria matá-lo, do que tinha medo era que alguém me visse. Mesmo um lobo grande não chega nem a metade do meu tamanho, sou do tamanho de um cavalo por amor de Deus.

Mas quando a altura chegasse logo me preocuparia com isso. Preparei alguma coisa para comer e depois fui-me vestir. Tinha combinado ir ter com a Cameron a casa dela para uma das nossas sessões de cinema. Íamos buscar o almoço e ficávamos durante a tarde a ver uma carrada de filmes de todos os tipos. Saí de casa e fui até casa da minha melhor amiga. Decerto que ela também iria querer falar do que se passou no bar, na festa de Dean. Estive tão perto! Mas não podia pensar nisso, só me ia fazer abrir a ferida outra vez.

Toquei á campainha e esperei. Ouvi a Cam a descer as escadas e depois abriu a porta. Estava com o cabelo molhado, tinha cabado de tomar banho. Sorri.

- Piolha!

- Peludo! - riu-se e deixou-me entrar. - Chegas-te mais cedo.

- Desculpa lá mas acordei mais cedo do que tinha previsto.

- Não tem mal. Anda, estava agora mesmo a escolher os filmes para a sessão de hoje.

 

Fomos até á sala de estar e havia uma pirâmide de DVD's em cima da mesa de café. Fiquei a olhar para a pirâmide como um burro olha para um palácio.

- Não vamos ver isto tudo, está descansado. - disse-me.

- Ah, ok. Por uns momentos preocupaste-me. - ri-me e sentei-me no sofá ao lado de Cam.

Ficámos cerca de meia hora a escolher 3 filmes para essa tarde. Duravam tempo suficiente para ficar lá até á hora de jantar, que era o costume. Saía sempre de casa dela por volta das 19:30, 20:00 nos dias das nossas sessões de cinema. Já estava perto do meio dia e meia portanto fomos a um restaurante chinês buscar o nosso almoço. Conseguimos escapar á hora de maior trânsito, chegando ao sofá na hora prevista.

Cam ligou o DVD e cada um pegou na sua caixa de comida. Comemos enquanto víamos o filme. O primeiro era de suspense, os preferidos de Cameron.  Haviam alguns que me davam vontade de rir, o que a irritava profundamente porque cortava-lhe o suspense todo, mas este até a mim me estava a prender ao ecrã. Numa cena apanhei um susto de tal forma, que um pedaço de carne de porco saltou dos meus pauzinhos. Felizmente caiu novamente na caixa, não sujando nada.

O segundo filme era de comédia e o terceiro era de fantasia. Literalmente, vimos o filme da Mulan, da Disney. Bem uma coisa é certa, o dragão é de partir a moca a rir.

Finalmente a nossa sessão tinha chegado ao fim. Desliguei e TV e Cam foi guardar os DVD's na sua enorme prateleira. Depois veio sentar-se ao meu lado outra vez.

- Bem, hoje foi um dia interessante sem duvida. - disse.

- Sim, adorei a parte em que quase sujavas a minha carpete. - disse Cam, lançando-me um olhar ameaçador.

- Disseste bem, quase. - disse eu, deitando-lhe a língua de fora. Rimo-nos. - Cam tenho uma coisa para te contar.

- Ok, diz.me peludo.

- Tens visto as noticias? - perguntei-lhe.

- Sim, tenho.

- Aquela noticia do serial killer?

- Sim, também ouvi essa.

- Ok. Não é um serial killer. É um vampiro.

- Um vampiro em NY? Tens a certeza?

- Absoluta. Liguei inclusivamente ao Edward para saber a opinião dele e ele concorda comigo. Diz que é recém-nascido porque está a dar um bocado nas vistas.

- Hum estou a ver...

- Prometes-me que tens cuidado? - pedi-lhe. Óbvio que sabia que se fosse apanhada de surpresa, como todos os humanos, ela não teria hipótese de fugir mas pedir não custa...

- Claro Jacob. Não te preocupes. Decerto que o afugento com o meu tom de cabelo. - riu-se e eu sorri.

 

(...)

Despedi-me de Cam e saí de casa dela. Era tão parola aquela rapariga, estava sempre a arranjar uma maneira de eu nunca estar preocupado com nada, sempre a rir-se e a fazer-me rir. Sentia-me bem com ela, por alguma razão é que éramos melhores amigos!

Andei até ao carro e debati-me uns minutos com os meus bolsos á procura das chaves. Podia jurar que estava no bolso esquerdo. Estava a revirar os bolsos quando um cheiro horrível cruzou o meu nariz. Por uns momentos até pensei que fosse das tampas do esgoto mas o cheiro não fazia sentido. Não era ácido ou nauseabundo como era o cheiro dos esgotos. Era extremamente doce e amargo ao mesmo tempo. Estava distraído a coçar o nariz quando me atingiu com força o significado daquele cheiro: vampiro.

publicado por Suky ♥ às 11:15
link do post | Light Me | favorito
1 Moonlight:
De Filippa a 15 de Outubro de 2010 às 19:46
Será que o Jake se vai transformar? :O yeee, isto está a aquecer :b
Mais :D


Comentar post

Copyrights including the content and design of this blog

.About Me

.pesquisar

 

.Setembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Espiritos do Luar - Cap 6

. Espiritos do Luar - Cap 5

. Espiritos do Luar - Cap 4

.arquivos

.links

.Nuvens

estetica em
contador free