Espiritos do Luar é baseado nas histórias e lendas das tribos Cherokee, Wappo e Karok. Os nomes são inventados e a história em si é ficcionada.
Terça-feira, 9 de Novembro de 2010

Midnight Howl - Cap 27

Navid

 

O avião aterrou em Port Angeles, a minha última paragem. Tinha chegado a meio da tarde, e o tempo, como suspeitava, estava nublado. Saí do aeroporto e dirigi-me para Forks. Embrenhei-me na floresta e corri até lá chegar. Comecei a sentir o cheiro dos outros vampiros, dos Cullen, devia estar perto da sua residência... Abrandei o passo, até estar somente a andar. Comecei a ficar nervoso. Sim tinha conseguido chegar até ali sem o Felix me encontrar e com a minha cabeça ainda intacta sobre os meus ombros mas podia perdê-la para um dos Cullen. Se calhar estavam tão furiosos como os lobos, afinal tinha morto uma pessoa conhecida, mas não foi por mal. Obrigaram-me... Tinha de lhes explicar isso.

Comecei a ver uma clareira no fundo do caminho que seguia e dirigi-me para lá. Quando saí para a luz, estava lá dois vampiros, uma mulher e um homem. A mulher era pequena, com uns olhos grandes dourados e o cabelo preto, espetado em todas as direcções. Esta devia ser Alice, a tal que tinha visões do futuro. Para estar ali era porque já estava á espera da minha chegada. O homem a seu lado era alto, esguio com o cabelo cor de cobre e os olhos igualmente dourados. Deveria ser o Edward, o que lia pensamentos.

Parei na orla da floresta, com medo que me atacassem, e de modo a não mostrar qualquer tipo de agressão para com eles. Eles já sabiam que eu viria, mas porque não estava ali a família toda? E porque não avisaram os lobos?

- Queremos falar contigo em privado primeiro. - respondeu Edward, sobressaltando-me. Pois ele lê pensamentos...

- Como te chamas? - perguntou Alice.

- Navid. - respondi, mantendo-me no sitio, sem mexer um musculo.

- Eu sou a Alice e este é o meu irmão Edward. - apresentou-se. - Nós não mordemos, podes-te aproximar. - disse com um enorme sorriso no rosto.

- Ok... - disse, aproximando-me até ficar cinco metros afastado deles. Ainda envergava as minhas vestes pretas e decerto que os meus olhos não eram nada que não tivessem visto, mas o meu vermelho era de um tom mais bordeau do que vivo, como era normal. - Venho em paz. - disse.

- Nós sabemos. - respondeu Edward.

- Ainda bem... - desabafei. - Venho explicar os meus actos e avisar-vos dos planos de Caius.

- Porque farias tal coisa? - perguntou Alice, desconfiada.

- Porque o que Caius fez não é correcto e eu não gosto de ser usado. - respondi firmemente.

- Estou a ver... Explica-te lá. - pediu Edward.

 

Respirei fundo para dar inicio á minha explicação do que se passava em Itália e o que tinha feito mas não tive tempo. Veio da floresta do lado contrário um rapaz alto e moreno, que cheirava a cão que tresandava directo a mim. Percebi que era um lobo e de tal modo era a raiva dele que deveria ser o filho do homem que matei.

Vinha a barafustar com Edward e Alice, mas nem olhava para eles, os seus olhos castanhos, quase pretos, estavam presos nos meus olhos vermelhos, com um sentimento de raiva profundo. Dei um passo atrás na defensiva, ele vinha a tremer por todos os lados.

 

Jacob

 

Cheguei a casa dos Cullen com Neela e entrei como fazia sempre, sem bater á porta. Chamei por Edward, nada. Chamei por Alice, nada também. Fui até ao jardim e estava lá Rosalie com a Renesmee, a falarem. Renesmee era bastante bonita, igual a Bella, com o seu cabelo castanho e os olhos da mesma cor. Era bom recordar os olhos que antes admirava em Bella, na filha.

- Que é feito do Edward? - perguntei.

- Saiu. - respondeu a loira. Tipo, óbvio já tinha percebido isso!

- Dah, isso já eu percebi. - respondi.

- Hum pensava que tinhas problemas de compreensão. Vejo que melhoraste.

- Rosalie não estou com paciência para estas coisas. Onde é que ele foi?

 

Rosalie não respondeu, se calhar Edward tinha pedido para não dizer onde tinha ido, mas porquê? Então atingiu-me: "Chega daqui a uma semana." As palavras de Alice ressoavam na minha cabeça com mais força que nunca e percebi. O vampiro tinha chegado, o tal da guarda dos Volturi e Edward e Alice tinham ido ter com ele. Mas porque é que não podia saber?

A compreensão chegou como uma cavalaria chega á guerra e o ódio invadiu-me. O vampiro tinha morto o meu pai, e Edward não queria que eu soubesse para não o matar. Pois lamento mas não sou tão burro como aparento. Corri floresta fora, deixando Neela com Rosalie e Renesmee e segui o rasto deixado por Alice e Edward. Cheguei á clareira e vi-os, aos três. Alice e Edward estavam de costas para mim mas aquele verme estava mesmo de frente, a falar com eles, como se fosse algo casual. O meu corpo começou a tremer, a vontade de lhe arrancar a cabeça era enorme, só o queria matar! Dirigi-me a eles, sempre com os olhos naquele sanguessuga nojento.

- Mas o que é isto?? - perguntei.

- Jacob, tem calma, não é o que pensas ser. - respondeu Edward.

- Não? Então porque não me disseram que ele já tinha chegado?

- Porque sabíamos que ias entrar em parafuso, Jacob relaxa. - pediu Alice.

- Não, ele matou o meu pai!

 

Aquele vampiro nojento deu um passo atrás na defensiva, vendo a minha raiva espelhada no meu olhar. Estava com medo? Nunca tinha visto um vampiro com medo. Mas pouco me interessava, ia investir. Comecei a tremer cada vez mais mas Edward e Alice agarraram-me antes de chegar aquela coisa. Tentei debater-me, para me libertarem os braços mas era um esforço inútil, eles nunca me iriam largar.

- Matas-te o meu pai!! Vou-te matar! - cuspi para aquela criatura.

- Lamento mas não tive escolha. - desculpou-se. Não teve escolha?!

- Escolheste sim! Era um homem inocente numa cadeira de rodas! Nunca fez mal a ninguém e mataste-o!!

- Foram ordens, não sabia. Jacob deixa-me explicar.

 

Os meus tremores pararam, e Edward e Alice olharam para mim, para confirmar que estava bem. Acenei com a cabeça, e eles largaram-me. Aqui estava a minha oportunidade. Atirei-me para a frente, para arrancar a cabeça aquele verme mas fui parado no ar por uma força que desconhecia. Fiquei a pairar no ar e Edward e Alice estavam tão espantados como eu.

 

Navid

 

Jacob, era esse o nome do rapaz moreno que tinha vindo para a nossa beira. Sentia-me ainda mais enojado comigo mesmo. Ver o familiar do homem que matei, ver o seu ódio, tristeza e raiva para comigo afectava-me mais que nunca. Ele tentou investir sobre mim, mas Edward e Alice agarraram-no, tentando acalmá-lo. Pedi desculpa pelos meus actos e pedi para me ouvir, para me deixar explicar e ele acalmou-se. Os outros dois largaram-no mas ele tinha-os enganado. Atirou-se na minha direcção mas eu fui mais rápido que ele e com o meu poder, parei-o. Ok, agora ele estava a irritar-me.

- Já disse que vim em paz, só quero ajudar. Agora, importas-te de me deixar falar?!

- Mas...como é que...? - parecia confuso.

- Consigo parar e mover coisas com a minha mente, portanto vais ficar aí durante um bocado. - respondi de mau humor. Olhei para os vampiros. - Caius mandou-me matar o homem para os lobos, por vingança, irem para Itália declarar guerra. Caius quer-vos exterminar mas Aro não vos quer mal. Então, para contornar essa ordem mandou-me a mim para fazer o trabalho sujo e para serem vocês a ir ter com eles. - disse. Eles nada disseram portanto continuei. - Não fazia ideia qual o objectivo da minha missão até ter regressado a casa e quando soube os planos reais de Caius tive de voltar aqui para vos avisar para não irem a Itália ameaçá-los. Seria a vossa morte.  - olhei para Jacob. - Lamento os meus actos e irei sempre odiar-me por isso. Se soubesse antes o que Caius pretendia nunca teria vindo cá.

 

Larguei Jacob, caindo no chão, olhando para mim como se não pudesse acreditar. Via que estava arrependido da sua reacção para comigo mas nada conseguiu dizer.

- Bem, agora que já fiz o que me era pretendido, vou regressar para Itália. Tive que mentir para vir cá, já devem estar a desconfiar da minha ausência.

- Podias ficar connosco. - sugeriu Alice. Fiquei surpreendido com a oferta.

- Como assim?

- Não és um vampiro que procure violência e morte. És bom, não foste feito para estar com os Volturi. Fica connosco. - explicou Edward.

- Mas...vocês não me odeiam? - perguntei espantado.

- Não. Simplesmente tiveste a infelicidade de acabar com os Volturi. Fica. Temos espaço para ti.

- Não posso, isso faria com que eles viessem para cá. Não posso aceitar.

- Ok, percebemos. Mas se precisares de um sitio onde ficar, caso descubram o que fizeste, és bem vindo aqui. - disse Alice.

- Obrigado.

 

Virei costas e regressei para o aeroporto. A minha missão pessoal estava cumprida. Só esperava que ninguém em casa desconfiasse de mim...

 

 

 

PS: Aqui fica mais uma parte da história.

Peço desculpa pela demora do post mas não tenho tido muito

tempo para escrever. :/ Espero que tenham gostado :D

Bear Hugs*

publicado por Suky ♥ às 16:10
link do post | Light Me | favorito
1 Moonlight:
De Andrusca ღ a 14 de Dezembro de 2010 às 19:16
Não sei de quem tive mais pena, se do Jake ou do Navid... mas pronto, ao menos o Navid manteve a cabeça (por agora) e o Jake ouviu-o...


Comentar post

Copyrights including the content and design of this blog

.About Me

.pesquisar

 

.Setembro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. Espiritos do Luar - Cap 6

. Espiritos do Luar - Cap 5

. Espiritos do Luar - Cap 4

.arquivos

.links

.Nuvens

estetica em
contador free